"Quando comecei a usar o carro, senti-me tão revoltado com a imprudência dos pedestres quanto costumava me sentir revoltado com o atrevimento dos motoristas." (Sigmund Freud)

.

.

.

.

.